Pular para o conteúdo principal

ÉGUA ATROPELADA NO DF AGONIZA POR MAIS DE 3 HORAS À ESPERA DE REMOÇÃO

DFTV - 2° Edição - Rede Globo - 03/02/12

Uma égua atropelada no final da manhã desta sexta-feira (3) na Avenida Contorno, uma das principais do Guará II, no Distrito Federal, agonizou durante três horas até ser socorrida por um caminhão do Serviço de Zoonoses. A égua morreu a caminho do Hospital Veterinário.
O acidente aconteceu por volta das 11h20, quando um carro e uma carroça se chocaram. De acordo com a polícia, o carroceiro saía de uma obra e cruzou a via para pegar um retorno.
Testemunhas disseram que a carroça estava na faixa central da pista quando foi atingido pelo veículo, que estaria em alta velocidade na faixa da esquerda. O carroceiro caiu e foi levado pelos Bombeiros para o Hospital de Base, com escoriações na cabeça e foi liberado pouco depois.
O motorista do veículo não se feriu. Segundo ele, não foi possível desviar da carroça, que teria atravessado na frente do carro.
Policiais militares que chegaram ao local pouco depois do acidente chamaram o Serviço de Zoonoses. No entanto, o animal, que estava agonizando no asfalto, não foi retirado da pista porque, segundo os policiais, era preciso aguardar a chegada dos peritos da Polícia Civil, o que só aconteceu às 14h10.
Meia hora depois, o local do acidente foi liberado e a égua foi removida para o Hospital Veterinário da Universidade de Brasília (UnB), na Granja do Torto.
Moradores e trabalhadores da região se aglomeraram no local. Uma moradora de um prédio em frente ao local do acidente jogava água sobre a égua para aliviar o sofrimento do animal.
Ela disse que nos quatro meses em que mora no local, já presenciou várias situações de risco no trânsito. Segundo ela, a colocação de um quebra-molas ajudaria a reduzir acidentes no local.
O funcionário público Aníbal de Souza estava indo almoçar quando viu o acidente e decidiu parar para ajudar no atendimento ao animal. “Eu estava no ônibus, vi a égua na pista e desci. Estou aqui há duas horas. Deixei meu almoço para dar assistência. É tudo muito triste. Fiquei aqui por amor aos animais”, disse.

Fonte: G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…