Pular para o conteúdo principal

Segurança de posto de gasolina no Rio, vira-lata tem até crachá

'Amarelo' usa na coleira crachá idêntico ao dos demais funcionários.
Cachorro virou celebridade no posto e posa para fotos com clientes.


Posto de combustíveis no Bairro Olaria tem dez funcionários.
Amarelo é um deles. (Foto: Daniel Silveira/G1)
Ele levava no currículo apenas a fama de ser fiel. Quem o viu chegar conta que mal tinha porte de um cão de guarda, mas o que lhe garantiu a vaga foi o carisma.  "Amarelo", como é chamado o cãozinho, é um dos dez funcionários que trabalham no Posto Ipiranga  da Avenida Professor Plínio Bastos, no  Bairro Olaria, Zona Norte do Rio. A função de segurança cumpre com esmero, afirma a chefia. Como salário, recebe carinho, comida, cuidados médicos, banho e tosa.

"Esse cachorro vive bem demais. Eu tenho até inveja dele", brinca, às gargalhadas, o frentista Frank de Mesquita, de 54 anos, que há dois anos e meio trabalha no posto. "Todo mundo adorou ele desde o primeiro momento", conta.

Nenhum funcionário sabe precisar como e quando o vira-lata de pelo amarelo chegou ao posto. Mas ninguém se esquece da aparência que ele tinha. “Ele era muito feio. Tinha uma doença na pele, faltavam pelos em grande parte do corpo”, relembra Andressa Wanil, de 34 anos, gerente da loja de conveniência do local. “Ele chegou todo arrebentado, magrelo, até os ossos apareciam”, destaca o colega Frank.

A chefe imediata de "Amarelo", a gerente de pista Eliane Venceslau de Oliveira, 46 anos, diz que a ideia de fazer um crachá, idêntico ao dos frentistas, surgiu há cerca de um ano. Ela conta que o responsável pela confecção dos crachás o fez por conta própria, sem cobrar nada. “Ele veio fazer o de todo mundo e perguntou se podia tirar uma foto do Amarelo. Depois ele apareceu com o crachá”, conta.

Assédio
Desde que ganhou a identificação de funcionário, que carrega presa à coleira, "Amarelo" adquiriu ainda mais status no posto. “Todo mundo que chega aqui quer tirar foto com ele. Tem dia que ele fica até irritado. Mas é um amor com todo mundo”, diz a gerente Eliane.

Pausa no trabalho para ser tietado só ocorre durante o dia. Sob a luz do sol, o cãozinho também costuma fazer corpo mole: fica deitado à sombra e adora enterrar coxinhas de frango que ganha dos colegas. Já à noite, "Amarelo" se porta como um cão de guarda que se preze. “Ele não desgruda do Lourival, o frentista da madrugada. Fica ao lado dele o tempo todo, alerta a tudo o que acontece. Ele gosta de todos os funcionários, mas vive como unha e carne com o Lourival”, afirma Andressa Wanil, a gerente da loja de conveniência. “Por incrível que pareça, desde que ele chegou aqui nunca mais teve assalto. Antes houve um ou outro roubo pequeno”, faz questão de destacar o frentista Frank.

Tubarão não é amarelo
O primeiro funcionário a acolher o cachorro no posto também trabalhava sozinho na madrugada. “O senhor Jaldir foi quem viu Amarelo chegar. Ele chamava o cachorro de Tubarão, mas não deu certo, o cachorro não atendia, porque esse nome não combinava nada com ele. O que pegou mesmo foi Amarelo”, conta a gerente Eliane. Segundo ela, Jaldir morreu há aproximadamente um ano e foi então que Lourival assumiu o posto de fiel escudeiro de Amarelo.

Três madrinhas
Não foram só os funcionários do posto que adotaram Amarelo. Ele tem três madrinhas, que desde a sua chegada se revezam nos cuidados. Uma delas é a auxiliar de veterinária Andreia Balzana Martins, 42 anos, que todas as noites leva o jantar para Amarelo. “Não tem chuva, nem Natal, nem feriado que faz ela deixar de vir”, garante o frentista Frank.

Andreia conta que uma amiga parou para abastecer o carro  no posto e viu o cachorro, ainda com sinais de maus tratos, e a acionou. Ela mora perto do local e se dedica a auxiliar animais com histórico de abandono. “Eu faço isso por amor. Todo mundo que vê um animal abandonado deveria fazer a mesma coisa”, diz.

Ela relembra que quando "Amarelo" apareceu, vizinhos contaram ter visto um carro parando por ali e abandonando-o na madrugada. “Cachorro de rua fica correndo de um lado para o outro. Cachorro abandonado não sai do lugar de onde foi deixado”, afirma. Ela revela que "Amarelo" se recusou sair do posto para ser adotado. “Ele é feliz ali”.

Duas amigas de Andreia, Jane e Maria Tereza, também oferecem cuidados especiais a "Amarelo". “A Maria trabalha no fórum em frente e pagou todo o tratamento dele, além de arcar com as vacinas e outros cuidados. A Jane também colabora com a comida, mas nem sempre pode ir lá levar. Sou eu quem vou todas as noites. Se tiver de sair, passo lá antes. Sem comida ele não fica”, afirma. “E ele é exigente. No início só aceitava comida, nada de ração. Agora ele come ração mas só se estiver misturada com carne”, ressalta a madrinha Andreia.

Fonte: G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…