Pular para o conteúdo principal

Conheça a a história de Arturo, o urso polar mais triste do mundo

(Reprodução/Instagram)
O urso polar da foto acima é o Arturo, um animal que nasceu nos Estados Unidos, mas que vive confinado em um zoológico em Mendoza, na Argentina, há duas décadas. A tristeza vista nesta e em outras imagens revela a situação em que o animal vive atualmente e que tem comovido diversos ativistas pelo mundo.

Em 2012, ele perdeu sua parceira Pelusa e entrou em depressão. Mas este não é o único problema. Arturo vive em condições insalubres para sua espécie e precisa suportar temperaturas muito quentes. Partes de seu pelo chegam a apresentar queimaduras provocadas pelo Sol.

Diante da situação, protetores de animais do Canadá e do Greenpeace organizaram uma petição para conseguir retirá-lo dessas condições. O objetivo do grupo é mudar Arturo para um santuário no Canadá.

Além de uma página no Facebook, mais de 200 mil pessoas já assinaram o documento online do Greenpeace. Há também outra petição no Change.org com 250 mil assinaturas.

Segundo a petição do Greenpeace, o zoológico negou o pedido de transferência após a análise de um grupo de veterinários local. Os especialistas alegam que a viagem pode colocar a vida do urso em risco.


Mas o Greenpeace diz que os veterinários que avaliaram Arturo não são especialistas em ursos polares. A nota afirma que é essencial que o animal seja avaliado por um especialista da área para que a qualidade de vida de Arturo seja melhor, independente da mudança.

(Reprodução/Facebook)
A ONG afirma que somente um profissional da área pode fazer as recomendações necessárias para que a mudança de país seja feita. Caso não seja possível, o veterinário pode ainda listar as melhorias necessárias para o bem-estar do animal.

A petição do Greenpeace espera chegar ao governador de Mendoza, Francisco Paco Perez para pedir que ele permita que especialistas possam examinar Arturo. Já a do Change.org tem como meta alcançar Cristina Fernandez de Kirchner, presidente da Argentina.


(Reprodução/Instagram)


























Fonte: Info Abril

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…