Pular para o conteúdo principal

Homem é condenado a 10 anos de prisão por arrastar cadela nos EUA

(Foto: Divulgação)
Segundo o site Life With Dogs, um homem da Carolina do Sul (EUA) recebeu a sentença máxima daquele estado por praticar crueldade contra os animais, após ter sido considerado culpado de arrastar seu cão preso a sua caminhonete por duas milhas. Milagrosamente, o cão, uma fêmea, sobreviveu e foi adotada por um lar amoroso.

A juíza Letitia Verdin sentenciou Roger Dennis Owens a cinco anos de prisão por praticar crueldade contra animais, com um adicional de cinco anos e meio por desrespeitar leis de trânsito.

Promotores disseram que Owens arrastou seu mix de pit bull pela parte de trás de sua caminhonete por mais de duas milhas no dia 29 de novembro. E continuou mesmo após testemunhas tentarem fazê-lo parar. “Essa é uma das coisas mais cruéis que vi desde que estou atuando no tribunal”, disse Verdin, com indignação.

O cão tinha sido amarrado a pick-up aberta, com suas patas dianteiras na porta da caçamba e as traseiras arrastando no chão. Ela estava correndo para acompanhar, mas a assistente de advogado Julie Anders disse que Owens estava dirigindo em alta velocidade. Duas testemunhas perseguiram o homem, seguindo o rastro de sangue, até que encontraram a pobre menina abandonada na estrada.

“Ela era e é uma criatura inocente, boa e gentil, que não mereceu sofrer este ato hediondo”, disse Cynthia Sarachino, voluntária de resgate animal.

O cadela, que agora está sendo chamado de Andra Grace, foi envolvida em cobertores e levada às pressas para uma clínica veterinária. Seus tendões e ossos estavam expostos, e ela precisou de tratamento médico intensivo. Uma arrecadação de fundos foi realizada e mais de 16 mil dólares foram doados. Ela também encontrou um novo lar.

A defensora pública Elizabeth Powers Price alegou que seu cliente cuidou de cães durante sua vida inteira, mas havia bebido naquele dia. Ela disse que ele entrou em pânico quando percebeu o que tinha acontecido e deixou seu aparentemente amado cão para morrer na rua.

“A melhor defesa que se pode dar sobre o que foi feito naquele dia é dizer que você estava dirigindo bêbado”, disse Verdin. “É simplesmente horrível”.


Fonte: ANDA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…