Pular para o conteúdo principal

Matança do boto rosa pode extinguir espécie na Amazônia

O Fantástico mostrou uma reportagem denunciando um crime bárbaro e selvagem, que vem ocorrendo contra um dos animais-símbolo do Brasil: o boto rosa. Na Amazônia, eles estão sendo mortos aos milhares. A matança pode condenar o animal à extinção em poucos anos.
(Reprodução/Alerta Vermelho)


















Além de ilegal, imoral e cruel, a caça tem afetado drasticamente as populações dos Botos da Amazônia. Há registros de caçadores, especializados em Botos, que matam mais de 20 animais, por expedição, para serem comercializados com ribeirinhos.

Esses golfinhos estão sendo mortos para servirem de isca na pesca de um bagre carniceiro, localmente conhecido por Piracatinga ou Urubú-d’água; mas, são vendidos com o nome falso de douradinha, no Brasil, e capaz, na Colômbia; enganando os consumidores. Toneladas de Piracatinga são capturadas anualmente com carne de Boto e o volume desse pescado no mercado brasileiro vem aumentando exponencialmente, nos últimos anos.

O Boto-vermelho ou Boto cor-de-rosa (Inia geoffrensis) é o maior golfinho de água doce do Planeta, pode viver até 50 anos, mas as taxas reprodutivas baixas, o longo período de cuidado parental, aliada a ameaça sem trégua dos caçadores/pescadores ilegais, têm fragilizado a espécie.

Parente próximo dos golfinhos marinhos, o Boto é protagonista do folclore regional e um animal totalmente adaptado à Amazônia, sendo elo fundamental da cadeia alimentar da bacia Amazônica e seus rios colossais.

Mantida a pesca da Piracatinga, estima-se que mais de 2.500 Botos serão mortos em um ano, em algumas regiões da Amazônia, e a espécie poderá desaparecer em um futuro muito próximo.


(Reprodução/Alerta Vermelho)


















Assine a petição do AMPA no Change.org! CLIQUE AQUI!

Com seu apoio a AMPA:
Buscará soluções e alternativas sustentáveis para as comunidades;
Apoiará a fiscalização de frigoríficos, entrepostos de pesca e o combate ao comércio ilegal;
Pressionará para o fim do Massacre ao Boto na Amazônia.

          Facebook AMPA
          AMPA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…