Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2014

Botos, peixes e camarões resistem à poluição da Baía de Guanabara, mas número de espécies diminui

Especialistas alertam que botos-cinza pode sumir em menos de 20 anos. População caiu de 400, na década de 80, para 40
RIO — Com o corpo em formato de torpedo e nado ágil, eles lutam para não se tornar apenas uma lembrança estampada no brasão da cidade do Rio. Na década de 80, pesquisas apontavam que eram 400 os botos-cinza (Sotalia fluviatilis) que habitavam as áreas internas da Baía de Guanabara. Quinze anos depois, uma queda de 83% na população — para 67 animais — acendia o definitivo sinal de alerta. Hoje, os botos — popularmente chamados de golfinhos — da baía não passam de 40, segundo o Laboratório de Mamíferos Aquáticos e Bioindicadores (Maqua), da Uerj, e se concentram na APA de Guapimirim.
— Se nada for feito, em menos de 20 anos os botos da baía terão desaparecido — lamenta José Lailson Brito Junior, coordenador do Maqua, que usa fotos para identificar os mamíferos, que têm marcas naturais e únicas na nadadeira dorsal.
Pesquisador do projeto Hippocampus, com sede em Porto de Gal…

Novos projetos, que somam R$ 1,7 bilhão, só vão tratar parte do esgoto lançado na Baía

Investimentos permitem que o estado consiga tratar somente 80% do que constava no planejamento de 1994
RIO — A traineira aporta em Paquetá. Um a um, os tripulantes desembarcam, resignados. O dia não rendeu bons estoques de sardinha, tainha ou robalo. Rafael Passos da Silva, de 22 anos, conta que as águas turvas da Baía de Guanabara frequentemente tornam inútil sair com o barco. Períodos de bonança têm sido cada vez mais raros, ele afirma, e a poluição é a principal vilã. Rafael precisará ter mais paciência para ver o mar, enfim, numa situação melhor. Com as falhas do Programa de Despoluição da Baía de Guanabara (PDBG), autoridades renovam promessas, cifras e índices de saneamento.
Somados, os projetos sucessores do PDBG somam R$ 1,77 bilhão e prometem ampliar o percentual de esgoto tratado no entorno da baía — passando dos atuais seis mil litros por segundo para cerca de nove mil — até março de 2017. Num cálculo otimista, o Rio terá aplicado, ao longo de 23 anos, R$ 4,5 bilhões em sanea…

Investigações de irregularidades na despoluição da Baía jamais resultaram em punições

Desde 1994, Ministério Público estadual impetrou três ações civis públicas envolvendo o programa
RIO — As investigações do Ministério Público Estadual de denúncias de irregularidades no Programa de Despoluição da Baía de Guanabara (PDBG) jamais resultaram em punições a funcionários públicos. Desde 1994, foram impetradas pelo MP três ações civis públicas envolvendo o programa. Um dos inquéritos mais detalhados foi aberto em 2003 pela então promotora Rosani Cunha, hoje procuradora de Justiça. Só em 2007, o inquérito tornou-se um processo, e seu desfecho, cinco anos depois, irritou o MP: em sentença, o juiz Ricardo Starling Barcellos, da 13ª Vara de Fazenda Pública, arquivou o processo que obrigava o governo do estado a apresentar um cronograma de despoluição da Baía de Guanabara em dois anos.
Na decisão, o magistrado argumentou que ações “estavam em andamento" e observou que a extinção do processo, sem o julgamento do mérito, “não desobriga o estado e a Cedae de continuar atuando de …

IMPUNIDADE: Apenas uma de seis multas aplicadas por irregularidades na despoluição da Baía foi quitada

Multas fixadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) somam, em valores atualizados, R$ 43,3 mil
RIO — Os problemas enumerados em inspeções administrativas ao longo de duas décadas praticamente morreram nas águas da Baía de Guanabara. Das seis multas aplicadas pelo plenário do Tribunal de Contas do Estado (TCE) a gestores do governo do estado, por causa de irregularidades em contratos do Programa de Despoluição da Baía de Guanabara (PDBG), apenas uma foi quitada integralmente. Uma segunda foi paga apenas parcialmente, segundo levantamento do órgão. Outras duas ainda tramitam no tribunal, e as demais foram canceladas.
Na quarta reportagem da série que analisa os 20 anos da assinatura dos acordos com os organismos financiadores do PDBG, que consumiu R$ 2,79 bilhões de dinheiro público, O GLOBO trata da impunidade. Se todas as multas fixadas pelo TCE tivessem sido quitadas, somariam, em valores atualizados, R$ 43,3 mil (17 mil Ufirs). É dinheiro que deveria ter saído dos bolsos dos acusad…

Trecho às margens da Baía, da Baixada a Botafogo, tem índices de poluição intoleráveis

Dados oficiais mostram que, de 35 praias, apenas uma tem boas condições para o banho

RIO — Às vésperas de completar 84 anos e moradora há seis décadas da Avenida Rui Barbosa, no Flamengo, a professora de inglês aposentada Bianca Espínola limita seus passeios à orla do bairro a caminhadas no calçadão. Os filhos, lamenta, nunca puderam frequentar a praia perto de casa — nem tomar banho de mar, e sequer botar os pés na areia. A solução era levar as crianças para Ipanema. De lá para cá, diz ela, nada mudou:
— O pessoal passa a máquina na areia para ela ficar branquinha. Também não vejo placas que informem se a água está própria ou imprópria. E muita gente toma banho no Flamengo. Às vezes, alerto senhoras que estão com seus filhos na praia. Digo: "Suas crianças podem ter hepatite, infecção urinária e doenças de pele".
A preocupação de Bianca se confirma no resultado das análises das condições das águas da Baía de Guanabara feitas pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea). Relatóri…

Zoológico tem 422 animais já prontos para serem soltos, mas falta lugar

O zoo de Salvador tem mais de 400 animais que já poderiam voltar para a natureza, mas, por falta de estudos, continuam enjaulados
O macaco da foto ao lado não tem nome. Ele vive em grupo, consegue encontrar sua própria comida (e até quebrar as frutinhas que encontra para colocar na boca) e provavelmente desconfiaria de um galho que tem um movimento estranho - pode ser uma cobra, afinal de contas.

Ele é o bicho perfeito para viver na mata. Mas ele mora no Zoológico de Salvador, em Ondina.

Como o macaco sem nome (que, aqui, vamos chamar pela espécie, macaco-prego-do-peito-amarelo), outros 421 animais estão no zoo, esperando para ser soltos. Eles estão lá, prontos para ir embora (provavelmente, felizes). Só não têm para onde ir.

Atualmente, o zoológico tem quase 1,6 mil animais - mas desde 2008, 422 bichos poderiam estar livres, na natureza. No entanto, faltam lugares que possam recebê-los, segundo o coordenador do parque, Gerson Norberto.

“O problema nem é encontrar as áreas, mas fazer um …

ONG roraimense usa aplicativo para auxiliar na adoção de animais

Associação Yawara conta com cerca de 20 animais cadastrados no app.
Download está disponível para celulares com sistema Android e iOS.


Desde essa segunda (25), interessados em adotar um animal de estimação já podem contar com uma nova ferramenta para escolher o 'companheiro' de quatro patas. Desenvolvido pela Aces Labs, com sede em Minas Gerais, o aplicativo para celular Adote Pets conta com animais recolhidos pela Organização Não Governamental (ONG) roraimense Yawara Associação de Proteção Animal. Cerca de 20 bichos de Roraima já estão cadastros no app, que tem download gratuito para aparelhos com sistema Android ou iOS.

A ideia do app é tentar ajudar os animais abandonados ou resgatados a encontrarem um novo lar. De acordo com Luciana Pacobayba, membro do grupo Yawara, o aplicativo vem para auxiliar a associação a divulgar o trabalho desenvolvido e mostrar os animais disponíveis para adoção.

"Muita gente me liga pedindo para enviar fotos dos animais disponíveis para adoç…

Antigo charreteiro é condenado por maus-tratos em Petrópolis, no RJ

Condutor era responsável por cavalo que caiu no Centro Histórico em 2013.
Pena foi de oito meses em regime semiaberto; charreteiro pode recorrer.

Carlos Eduardo de Freitas foi condenado nesta segunda-feira (25) a oito meses de prisão em regime semiaberto pelo crime de maus-tratos a animais pelo Juizado Criminal (Jecrim) de Petrópolis, na Região Serrana do Rio. O antigo condutor de charretes protagonizou o episódio ocorrido em junho de 2013 quando o cavalo que tracionava a “vitória” nº 014 caiu no Centro Histórico aparentemente debilitado. O animal ficou conhecido como Falcão. A ONG AnimaVida, que denunciou o caso à Justiça, considerou a decisão um avanço. Carlos Eduardo, que teve a licença cassada e não trabalha mais na atividade, poderá recorrer.

A decisão do juiz Afonso Henrique Castrioto Botelho levou em consideração o fato do charreteiro estar ciente de que o animal estava debilitado, como ele mesmo confessou durante o depoimento. O laudo emitido na época pelo Núcleo de Bem-Estar Ani…

Garota atira gata da janela de prédio e posta vídeo na internet

Um caso de maus-tratos aos animais está causando revolta nas redes sociais. Uma adolescente que mora em Diadema (SP) confessou a um grupo de amigos na internet que ela própria teria jogado uma gata, que era de sua mãe, da janela do 14º andar de um apartamento. Após a confissão, ela postou um vídeo que mostra o pet sendo arremessado.

As imagens do vídeo, que também mostram a garota dando "tchau" para o animal, foram usadas por grupos protetores dos animais, que reuniram também declarações da garota na web para apresentar provas do crime à polícia.

Segundo estes grupos, a jovem teria comentado no Whatsapp que a "mãe preferia a gata a ela". Também chamaram a atenção dos protetores dos animais postagens que mostram a menina ironizando a situação. "Amo mortadela, enquanto você lia, um gato saiu voando pela janela", teria dito a garota.

A morte da gata ocorreu no dia 19 de agosto, mas, após a divulgação na internet, ganhou repercussão local. Uma pequena manifestaç…

TJ recebe denúncia do MP que acusa prefeito por matança de cães no PA

Marcelo Pamplona e mais 8 teriam incentivado captura e matança de cães.
Caso ocorreu em 2013, em Santa Cruz do Arari.


À unanimidade, as Câmaras Criminais Reunidas do Tribunal de Justiça do Estado do Pará (TJPA), recebeu nesta segunda-feira (25) denúncia proposta pelo Ministério Público do Estado (MPE) contra o prefeito de Santa Cruz do Arari, na ilha do Marajó, Marcelo Beltrão Pamplona (PT), e mais oito pessoas. Todos são acusados de incentivar a captura e a matança de cães no município, em junho de 2013.

A relatora, a juíza convocada Nadja Nara Cobra Meda, acompanhou a manifestação do MP e votou pelo afastamento do prefeito do cargo por levar em consideração os constrangimentos que as testemunhas estão sofrendo durante as investigações. No entanto, as Câmaras decidiram, por maioria de votos, mantê-lo à frente da gestão do município, uma vez que o prefeito já foi afastado por 90 dias e o tempo decorrido do fato não justificaria um novo afastamento. O prefeito responderá judicialmente pe…

Veja antes e depois de 16 cachorrinhos resgatados da rua

Sabemos que, infelizmente, ainda é bastante comum as pessoas abandonarem seu animaizinhos de estimação na rua – que acabam morrendo se não são resgatados logo.

Hoje em dia nos deparamos com histórias de animais de rua que ganharam um novo lar cheio de amor e carinho. A vida dos animais na rua não é nada fácil, por isso reproduzimos a galeria acima para incentivar a adoção desses pobres animais.

Não é porque eles estão em um estado ruim que eles merecem ser descartados! É só levar ao veterinário que eles logo ficam bem e se tornam seus companheiros até o fim da vida!































Fonte:

Nestlé anuncia que não vai mais comprar de fornecedores que impõem sofrimento a animais

Cerca de 7.300 empresas terão que se adequar a novas práticas de criação e abate

A Nestlé, uma das maiores companhias de alimentação do mundo, está adotando uma política de bem-estar animal que vai afetar 7.300 de seus fornecedores em todo o globo, além das empresas que abastecem esses fornecedores.

A medida é um dos mais amplos compromissos adotados para melhorar a qualidade de vida de animais no sistema de alimentos. Ela deverá ter impacto em outras companhias que dividem os mesmos fornecedores ou concorrem com a Nestlé. A iniciativa também marca a primeira parceria entre uma grande companhia de alimentação e uma ONG de defesa de animais.

— No mundo digital, cada um possui um smartphone, e todos querem saber as origens das coisas e repartir essa informação — disse Kevin Petrie, gestor-chefe de contratos da Nestlé para a América do Norte. — É bom para mim? A qualidade é boa? Foi originado de forma responsável?

A nova política, segundo ele, foi um passo a mais nos esforços da Nestlé para …

Dono acha solução para ajudar cão com doença que o impede de se alimentar

Este cão nasceu com megaesôfago congênito, quando o esôfago é alargado e não tem a mobilidade muscular para engolir alimentos quando o cão está na posição horizontal. Sem ajuda a comida ficaria presa em sua garganta. Mas, graças a uma cadeira especial, a gravidade ajuda a comida a chegar ao estômago.

Obviamente, possuir um cão nessas condições não é tarefa das mais simples, pois é preciso paciência para que o animal se adapte a usar a cadeira, mas isso não é nada que seja impossível para quem realmente ama os animais.

Este homem do vídeo, treinou seu cachorro a sentar em uma cadeira construída por ele – modelo conhecido como “cadeira Bailey” – toda vez que ele se alimenta. Para sobreviver o cão só precisava mesmo de um papai humano amoroso e isso foi o bastante para que sua deficiência fosse superada.

Queremos que este vídeo motive as pessoas a amar e cuidar de seus animais de estimação que possuem qualquer deficiência. Abandono não é a solução, amor é.



Fonte: Animais Sensacionais

RIO: Sucata pública, obras de R$ 80 milhões jogadas no lixo

Usinas e aterros previstos no Programa de Despoluição da Baía de Guanabara foram abandonados
RIO — Em dois galpões da prefeitura de Niterói, no bairro Ponta D’Areia, padecem os restos mortais do que um dia foi uma usina — com unidades de resíduos domiciliares e de lixo hospitalar —, construída no município com recursos do Programa de Despoluição da Baía de Guanabara (PDBG). Com algumas peças cobertas, o material — grande parte enferrujou e já virou sucata — está acomodado em meio a pertences de vítimas do deslizamento no Morro do Bumba e a objetos, ainda embalados, doados à prefeitura. Assim como em Niterói, as usinas de lixo e os aterros sanitários de São Gonçalo e Magé, previstos no programa, viraram mera abstração e são tema da segunda reportagem da série sobre os 20 anos da assinatura dos contratos de financiamento do PDBG, iniciada ontem pelo GLOBO.
Apenas para tratar resíduos sólidos, o programa firmou 16 contratos, totalizando US$ 16,3 milhões, em 2004 (equivalentes na época a R$…

Inoperante há 16 anos, estação de São Gonçalo é símbolo de desperdício

Relatório do TCE mostra que estão sendo gastos mais de R$ 122 milhões do PAC para fazê-la operar

RIO - Uma placa em frente à Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) São Gonçalo indica que estão sendo realizadas obras de complementação da estrutura. Inaugurada pelo ex-governador Marcello Alencar, em dezembro de 1998, a estação não trata hoje um único litro de esgoto. Relatório do Tribunal de Contas (TCE) mostra que estão sendo gastos mais R$ 122 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para fazer a estação operar e, de quebra, melhorar o abastecimento de água do município, outra dívida do PDBG.
Há ainda um longo caminho a percorrer e muitos recursos para gastar, para atingir a principal meta do PDBG: tratar 10.554 litros de esgoto por segundo. Até agora, segundo Jorge Briard, diretor de operações da Cedae, as oito estações existentes — quatro novas e as demais ampliadas — tratam 6.069 litros por segundo. Mas uma nova promessa já está feita: a Cedae quer chegar a 14.224 litros…

Um mar de lixo e lama: quase R$ 3 bilhões gastos e a poluição persiste na Baía de Guanabara

Apesar de programa de saneamento, Baía de Guanabara recebe por segundo 18.400 litros de esgoto não tratado
RIO - Houve um tempo em que a Praia de Tubiacanga, na Ilha do Governador, tinha areia limpa e era um bom local para um mergulho. Morador da área, Sebastião Batista dos Anjos, de 66 anos, se lembra dessa época. Hoje o cenário é bem diferente: a areia é um lamaçal, coberto de lixo de todo tipo. Já o mar está longe de ser próprio para qualquer um se refrescar: as águas, fétidas, estão repletas de esgoto. Sebastião, que era pescador, se aposentou. Hoje, a pesca é apenas um hobby para ele. E depende da maré — do contrário, não há como o barco vencer a barreira de detritos.
— Por causa da lama, do esgoto e do lixo, só posso ir para o mar quando a maré enche. Antigamente, Tubiacanga tinha areia branca, e eu tomava banho na praia — lembra.

AGÊNCIA JAPONESA: PROGRAMA “INSASTIFATÓRIO”

O aposentado é um dos 8,46 milhões de fluminenses que moram em áreas de 15 municípios no entorno da bacia do q…