Pular para o conteúdo principal

Após seis meses de adoção, cadela Vida comemora nova fase

Antes: Vida estava magra e com a mandíbula quebrada
Vitíma de maus-tratos, a cadela da raça pit bull Vida não poderia imaginar que sua história se tornaria um conto de fadas canino. Seis meses após ter sido encontrada machucada e agonizando no Cemitério da Areia Branca, em Santos, a Pit bull comemora, saudável e feliz, a nova fase.

Vida é cuidada há 6 meses pelo proprietário de petshop Carlos Leonardo, responsável pela adoção da cadela. Segundo ele, na época da agressão, o animal pesava 11 quilos, menos da metade do que pesa hoje. "Era pele e osso, hoje está com 23 quilos e só quer brincar".

Mesmo sendo dócil, Leonardo conta que os maus-tratos deixaram sequelas na pit bull, que não se sente confortável com homens. "Quando algum homem precisa se aproximar dela, eu tenho que estar junto, mas com a minha filha e a minha mulher, é só carinho".


Depois: Saudável e feliz, com o dono Leonardo







































Relembre o caso

A cadela foi resgatada no dia 12 de fevereiro com anemia profunda, edema cerebral e fratura na mandíbula, após levar machadadas na cabeça. O animal tinha sido ainda arrastado com uma corrente e arremessado para dentro do local. Ao perceber que vizinhos viram toda a ação criminosa, o agressor fugiu.

O homem agressor morava no bairro Areia Branca, próximo ao cemitério onde ocorreu o crime, mas até hoje não voltou mais para casa desde que o caso ganhou repercussão.

Leila Abreu, responsável pela Coordenadoria de Proteção à Vida Animal da Prefeitura de Santos (Codevida) e uma das pessoas que socorreram a cadela após a agessão, comentou o caso "Foi um quadro de barbárie. Em todos estes anos (trabalhando com animais), nunca vi tamanho sadismo.

A polícia está levando adiante a solução deste crime e eu fico muito contente com isso. Pode demorar, mas tenho certeza que o responsável vai pagar pelo o que fez. Mesmo que ele seja dependente químico e tenha problemas psiquiatricos como chegaram a falar, isso não justifica a agressão".

A recuperação de Vida não foi fácil. A cadela mobilizou fãs de animais do Brasil e de outros países, que doaram uma ração especial, necessária para reverter o quadro de desnutrição em que ela se encontrava.

A pit bull foi ainda submetida a uma cirurgia de reconstituição da mandíbula. A operação era arriscada, uma vez que o animal apresentava um quadro grave de aceleração cardíaca, mas a pit bull se recuperou bem e, no final de março, foi adotada.


Hoje pesa 23 quilos e só quer saber de carinho e brincadeiras







































Fonte: A Tribuna

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…