Pular para o conteúdo principal

Castra Móvel que custou 120 mil está parado desde março em Brasília

Veículo que deveria auxiliar no controle populacional de cães e gatos de rua no Distrito Federal segue parado, sem previsão de uso

O veículo, que conta com centro cirúrgico e sala de recuperação,
custou R$ 120 mil ao GDF
Apresentado aos brasilienses há cinco meses, o Castra Móvel ainda não está funcionando. Desde então, a carreta de 15 metros de comprimento onde serão realizadas as cirurgias de castração de cães e gatos, segue parada por falta de profissionais para realizar os procedimentos. O veículo, com três ambientes, incluindo recepção, centro cirúrgico e sala de recuperação, e que custou R$ 120 mil aos cofres do Governo do Distrito Federal (GDF), está estacionado no Setor de Garagens Oficiais Norte. O subsecretário de Saúde Ambiental da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh-DF), Luiz Maranhão, sinaliza o lançamento de um edital para convocação pública de pessoal para os próximos 60 dias. Entretanto, pondera sobre a necessidade de uma definição anterior de um modelo de gestão.

"É preciso decidir se será feito um convênio com uma organização não governamental, com uma associação de veterinários ou se será misto. Há ainda a possibilidade de uma parceria com o Hospital Veterinário da UnB (Universidade de Brasília). Assim, eles colocariam professores de veterinária cirúrgica e alunos residentes para operar o Castra Móvel. Então, isso é algo que estamos estudando, mas que acreditamos que vá se resolver nos próximos dias", afirmou Maranhão. No dia da apresentação do serviço, duas cirurgias demonstrativas foram realizadas, em um cão e uma gata, por parceiros da Semarh. "Embora não tenham sido feitos outros procedimentos, estamos realizando um levantamento sobre as regiões mais críticas em termos de abandonos de animais. Já notamos que isso ocorre no Varjão e em Planaltina. Verificamos ainda onde há mais animais doentes. Áreas de conservação, o Parque da Cidade e o depósito do Detran foram invadidos por esses animais", detalhou.

A ideia do Castra Móvel é complementar os serviços do futuro Hospital Veterinário do DF, cujo primeiro módulo tem previsão de lançamento em novembro deste ano, de acordo com o contrato, avaliado em R$ 3,5 milhões. O objetivo da Semarh é atender 70% da população de animais domésticos no DF, estimada, hoje, em 600 mil cães e gatos. "A meta é ousada, mas nossa ideia é ter um controle populacional definitivo. Dez por cento desse total é composto de animais abandonados", afirmou o subsecretário. Pessoas cadastradas em programas do governo, ONGs de proteção animal e abrigos terão prioridade no serviço.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…