Pular para o conteúdo principal

Cavalos sofrem maus tratos nas ruas da Ilha do Governador, RJ

Adolescente cavalga rapidamente e chama a atenção pela avenida
Ilha das Enxadas, nos Bancários
As denúncias de maus tratos a cavalos na Ilha aumentaram nos últimos meses. Os moradores reclamam que está se tornado comum ver adolescentes cavalgando em animais quase sempre abatidos, que apanham e aparentam saúde frágil. Eles costumam se concentrar pelas ruas dos Bancários, na Estrada do Dendê, Praia da Rosa, Avenida Paranapuã, Corredor Esportivo e Aterro do Cocotá.

Há duas semanas, um cavalo estava agonizando no Aterro do Cocotá. Sem conseguir se levantar, o animal chamou a atenção dos que passavam próximo a estação das barcas e muitos ficaram indignados.

– Moro próximo ao Aterro e o animal foi largado doente. O cavalo estava em péssimo estado, nem conseguia se mexer. As pessoas, assim como eu, ficaram revoltadas. Horas depois, apareceram agentes da prefeitura para recolhê-lo. Já fui agredida verbalmente por um desses garotos depois que o vi batendo em um cavalo e reclamei. Fiquei com medo, mas essa situação não pode continuar assim – desabafa Maria Inês Santos.
Feridos, os cavalos levam chicotadas para andar mais rápido nas ruas de asfalto e há relatos de que os garotos costumam dar banho de mar nos cavalos na Praia da Rosa.

– Sempre os vejo os animais na posse desses meninos de comunidade e algumas vezes os vi dando banho nos cavalos na Praia da Rosa. Deve piorar a situação dos machucados o banho com a água salgada – disse um insulano, que preferiu não se identificar.

Outro problema está relacionado ao trânsito. Quando os animais ficam soltos, basta se assustarem para invadir a rua. O risco de acidentes é grande.

– Na Avenida do Magistério, próximo ao Corredor Esportivo e ao Parque Royal, é preciso ter atenção. Quase sempre tem cavalos na pista. A situação está saindo do controle. Lugar de cavalo não é nas ruas, sofrendo e causando acidentes – comenta Marcos Madeira, que mora no Moneró.

A Secretaria Especial de Promoção e Defesa dos Animais (Sepda) disse ao Ilha Notícias que tem conhecimento sobre o aumento de casos de maus tratos a cavalos na Ilha, contudo ressalta que a maior parte das denúncias são em áreas de difícil acesso. Para a Sepda, muitos dos cavalos podem estar sendo usados pelo tráfico.

Há dois meses, os agentes contaram que fizeram o resgaste de dois cavalos nas ruas da Ilha e que a equipe chegou a ser apedrejada. Programando uma próxima operação, a Sepda disse que contará com o apoio da subprefeitura e de um efetivo policial para resgatar os animais com segurança.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…