Pular para o conteúdo principal

Fundador do desenho "Os Simpsons" compra fazenda de chinchilas e liberta os animais

Diagnosticado com um câncer terminal, Sam Simon desembolsou R$ 300 mil para fechar a fazenda e delegar o resgate dos animais e processos de adoção a uma ONG

Simon também postou fotos suas durante o resgate
O co-fundador de Os Simpsons, Sam Simon, diagnosticado com um câncer terminal no final de 2012, comprou uma fazenda de chinchilas na última terça-feira (19) em San Diego, na Califórnia, e libertou os animais. As chinchilas eram mortas e vendidas para a indústria de casacos de pele. Quando foi diagnosticado com a doença, um câncer de cólon, ele anunciou que iria deixar toda a sua fortuna para programas de combate a miséria e entidades de proteção animal.

Conhecido por se dedicar a causa animal, Simon mantém um abrigo especializado no resgate e tratamento de animais abandonados, além de ser parceiro de ONGs como a Peta (em tradução para o português, “Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais”) e a Sea Shepherd (entidade de proteção dos animais que vivem no mar, criada como uma ramificação do Greenpeace).


Cerca de 500 animais foram libertados com a ajuda de
Simon
A fazenda de chinchilas funcionava desde 1966 sob o pretexto de comercializar chinchilas como animais de estimação, mas uma investigação da Peta conseguiu flagrar a esposa do dono da fazenda confessando que matava chinchilas para vender a pele, e o responsável pela fazenda dizendo que não havia nenhum cuidado veterinário no local e que quando uma chinchila machucava uma perna, por exemplo, eles mesmos imobilizavam o animal e amputavam o membro sem nenhum tipo de anestesia.

Sam comprou a fazenda por R$ 100 mil para fechar o local e retirar os animais explorados. Além disso, ele também doou R$ 200 mil para uma associação de proteção animal de San Diego cuidar de toda a logística e disponibilizar os animais para adoção.


O co-fundados dos Simpsons participou do resgate, acompanhado por uma enfermeira, e postou fotos da ação em sua conta no Twitter. Cerca de 500 chinchilas foram salvas. Para se fazer um único casaco de pele, são mortos, pelo menos, 250 animais.

Durante o resgate, Simon postou uma foto do lugar
onde os animais eram confinados, chamado por ele
de "buraco do inferno"



























Veja o vídeo divulgado pela Peta sobre a situação:



Fonte: O Tempo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…