Pular para o conteúdo principal

Criança provoca tigre e perde o braço no Zoo de Cascavel - PR

O menino de 11 anos que foi atacado por um tigre no Zoológico de Cascavel, no oeste do Paraná, teve o braço amputado.

Conforme a bióloga do Zoológico de Cascavel, o Tigre chamado Hu tem mais de 200 kg e três anos incompletos. Ele é um animal bastante dócil e deve ter ficado estressado com a movimentação do garoto. Populares que assistiam à cena, registraram um vídeo do comportamento do menino com os animais. O tigre foi isolado na área de manejo.

Segundo integrantes da equipe de cuidadores do zoo, o menor foi incentivado pelo próprio pai a correr em volta da jaula, dentro da grade de proteção, provocando o animal. O pai ignorou todas as placas de alerta para evitar se aproximar do local e não ouviu apelos de quem o observava para cessar a brincadeira. (Informações da nota oficial divulgada pelo Zoo ao G1)

De acordo com eles, o menino estava em uma área proibida (entre a grade de proteção e a grade das jaulas) e dava comida para o tigre e também para o leão, além de acariciá-los.

O garoto, teve o braço direito amputado na altura ombro na quarta-feira (30), de acordo com o Hospital Universitário (HUOP). Ele passou por uma cirugia durante a noite e permanece internado, mas seu estado de saúde é estável, sem risco de morrer.

“Até o presente momento, nós estamos apurando uma lesão corporal, até porque o pai, quando está num ambiente desses com os filhos, tem o dever legal de guarda e proteção. Nós temos que analisar no curso do inquérito policial até que ponto o pai foi realmente descuidado e negligente, para que acontecesse o que aconteceu”, afirmou o delegado Denis Merino, que investiga o caso.


                                     
O garoto estava na área proibida, nos vídeos gravados é possível ver o garoto instigando os animais, ele não dá comida ao leão, ele ameaça dar e tira, ameaça e tira, fica provocando. Já na área do tigre, ele chuta as grades, corre pega impulso e se pendura nelas. Tenta de toda forma chamar a atenção do tigre, ora passando a mão, ora dando tapinhas, correndo de um lado para outro da área.

Fonte: Mural Animal
          G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…