Pular para o conteúdo principal

Inoperante há 16 anos, estação de São Gonçalo é símbolo de desperdício

Relatório do TCE mostra que estão sendo gastos mais de R$ 122 milhões do PAC para fazê-la operar

Retidos. Barcos da colônia de pesca de São Gonçalo presos na
lama: pescadores sofrem com o assoreamento da baía
Custódio Coimbra / Agência O Globo
RIO - Uma placa em frente à Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) São Gonçalo indica que estão sendo realizadas obras de complementação da estrutura. Inaugurada pelo ex-governador Marcello Alencar, em dezembro de 1998, a estação não trata hoje um único litro de esgoto. Relatório do Tribunal de Contas (TCE) mostra que estão sendo gastos mais R$ 122 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para fazer a estação operar e, de quebra, melhorar o abastecimento de água do município, outra dívida do PDBG.
Há ainda um longo caminho a percorrer e muitos recursos para gastar, para atingir a principal meta do PDBG: tratar 10.554 litros de esgoto por segundo. Até agora, segundo Jorge Briard, diretor de operações da Cedae, as oito estações existentes — quatro novas e as demais ampliadas — tratam 6.069 litros por segundo. Mas uma nova promessa já está feita: a Cedae quer chegar a 14.224 litros por segundo em dezembro de 2015. Para cumprir o cronograma, terá que avançar 134% em um ano, uma evolução jamais experimentada.
Responsável pelo acompanhamento das novas intervenções em São Gonçalo, a Secretaria estadual de Obras informa que a previsão é que a construtora Delta conclua as obras até maio de 2015. Otimista, o presidente da Cedae, Wagner Victer, garante que pelo menos a ETE do município será reinaugurada num prazo de até três meses.

HORTA E POUCOS FUNCIONÁRIOS

Numa visita surpresa feita pelo GLOBO à ETE São Gonçalo, no dia 6 de agosto, no entanto, nenhum operário foi visto. No terreno existe uma horta e estão estocadas tubulações para serem usadas em obras de implantação de redes de saneamento no município e em cidades vizinhas. No prédio principal, com marcas de descuido evidentes, havia apenas quatro funcionários.
Localizada à beira do trecho Niterói-Manilha da BR-101, no bairro Boa Vista, a ETE São Gonçalo tem o piscinão como vizinho. Ambos bem próximos à Praia das Pedrinhas. Os restaurantes, de frente para a praia, não têm rede de água e precisam utilizar o serviço de carros-pipa. E o esgoto cai numa tubulação, que segura os sólidos, seguindo para outra canalização e desembocando in natura no mar. Um valão, com o esgoto vindo de casas e estabelecimentos comerciais da redondeza, completa o cenário.
— Nosso esgoto vai direto para a baía. Às vezes, entope a caixa em frente ao restaurante e o esgoto transborda — conta Maria Aparecida Fontes, dona do Amarelinho da Praia há dois anos.
Enquanto as soluções do poder público para despoluir a Praia das Pedrinhas engatinha, uma placa cobra consciência aos frequentadores. “Cara chato é aquele que suja a praia. Quem ama, cuida”, incentiva.
Moradora do Porto da Pedra, Selma Cardoso, de 51 anos, vai com frequência à Praia das Pedrinhas. Nos últimos anos, porém, se limita a beber uma cervejinha e a jogar conversa fora com amigos. Ela espera voltar a tomar banho no local:
— No verão, essa praia lota e tem gente que se arrisca a tomar banho de mar. Será verdade que com as Olimpíadas isso tudo vai ficar limpo?
Para os amigos Thiago Ribeiro, de 20 anos, e Davi, de 19, moradores dos bairros Santa Catarina e Barro Vermelho, respectivamente, o mar da Praia das Pedrinhas agora só serve para dar banho em seus cavalos. Segundo os rapazes, o sal ajuda a cicatrizar as feridas dos animais.
— Evitamos o contato com a água, mas nem sempre isso é possível — diz Thiago.
Num voo sobre a Baía de Guanabara, em 11 de agosto, com o Projeto Olho Verde, coordenado pelo biólogo Mario Moscatelli, foi possível visualizar a inoperante unidade de São Gonçalo, que chegou a funcionar precariamente no passado. Na Área de Proteção Ambiental (APA) de Guapimirim — último fragmento de manguezal ainda preservado na baía — o Rio Guaxindiba recebe esgoto de Itaboraí e São Gonçalo.
— Quem quiser água limpa para mergulhar em São Gonçalo deve procurar no piscinão — ironiza o biólogo.

GASTOS DE MAIS DE R$ 400 MILHÕES EM ALEGRIA

Da Ponte Rio-Niterói, onde há estaleiros, até a divisa com São Gonçalo, o cenário é desolador: uma profusão de esgoto e embarcações abandonadas.
Do outro lado da baía, no Caju, metade da ETE Alegria continua parada. Inaugurada com pompa e circunstância em julho de 2001, foi reativada sete anos e seis meses depois, já no governo de Sérgio Cabral. Projetada para tratar 5 mil litros de esgoto por segundo há duas décadas, a unidade só trata 1.950 litros por segundo atualmente (39% do previsto).
O motivo: as obras de ligação das redes de esgoto jamais foram concluídas — uma constante em todo o programa. Importantes comunidades, como o Alemão e a Maré, ainda padecem de falta de saneamento. Apenas o tronco coletor do Centro da cidade está concluído. A finalização de todos os trabalhos em Alegria, orçada em mais R$ 400 milhões, está agendada para o ano olímpico de 2016.
Na mesma região, as máquinas da Estação Pavuna, em Vigário Geral, garantem o funcionamento de 47,3% do que havia sido projetado em 1994. A unidade foi reinaugurada em fevereiro último, depois de padecer 14 anos sem receber uma gota de esgoto. Os três grandes tanques decantadores — responsáveis pelo tratamento secundário — funcionam, mas apenas um de cada vez. Não há esgoto suficiente para justificar a operação conjunta. No início da tarde do último dia 13, biguás nadavam animadamente num aerador desativado da ETE Pavuna.
O trecho da baía junto à Zona Portuária é tomado por esgoto de ponta a ponta, principalmente em frente à Ilha da Pombeba, vizinha ao Canal do Mangue.
— Estão sendo feitos investimentos enormes na Zona Portuária, mas a baía continua uma latrina — lamenta Moscatelli.
Em Belford Roxo, nos arredores da ETE Sarapuí, às margens do rio de mesmo nome, a ocupação desordenada dá a tônica. Canais que desembocam no Sarapuí viraram valões de esgoto.
Dos 55 rios, canais e córregos que deságuam na baía, apenas cinco apresentam, segundo Moscatelli, boas condições ambientais: Suruí e Iriri (Magé); Guapimirim, Guapiaçu e Caceribu (Guapimirim).
Para o engenheiro Francisco Filardi, assessor-executivo do PDBG entre agosto de 1995 e dezembro de 1998, período em que as grandes obras foram licitadas, o programa virou uma colcha de retalhos. Em sua avaliação, o que faltou para que fosse executado adequadamente foi uma autoridade gerenciadora da baía:
— O grande erro foi a falta de um órgão de planejamento e de fiscalização da baía, que dissesse o que tinha de ser feito e servisse de interlocutor junto aos municípios, ao estado e aos organismos envolvidos. Alguém que dissesse o que tinha que ser feito e com poder de polícia para fiscalizar.
Filardi se defende, repassando para os governos posteriores as responsabilidades sobre, por exemplo, o funcionamento parcial, até hoje, da unidade de Alegria:
— Assinei o memorando de início das obras para o consórcio vencedor implantar todos os coletores e redes de Alegria. Não sei por que não executaram. Ainda hoje, o Canal do Mangue é uma estação de tratamento a céu aberto.
O presidente da Cedae, Wagner Victer, prefere focar na modernização da gestão, segundo ele, realizada a partir de 2007:
— Quando eu entrei na Cedae, era comum a gente ver empreiteira gerenciando empreiteira. Hoje é a Cedae que gerencia as obras, não terceiriza o gerenciamento de nada. A crítica pela maneira com que o PDBG foi conduzido é pertinente. Concretamente, os resultados hoje são significativos. Os sistemas estavam parados e retomamos.























Fonte: O Globo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…