Pular para o conteúdo principal

Macaé registra mais um caso de maus-tratos contra animal, RJ

Depois de ser abandonado pelo dono em lixão, cavalo doente acabou morrendo.

Apesar da impunidade, maus-tratos contra o animal é considerado
crime em todo país
Há cerca de uma semana, Macaé registrou mais um caso de crueldade contra os animais, tendo um desfecho nada feliz. Uma égua doente foi abandonada em meio ao lixo no bairro Jardim Vitória, agonizando até à morte.

Segundo o relato de uma testemunha, que pede para não ser identificada, algumas pessoas tentaram buscar socorro, porém sem êxito. "No dia 30, o animal foi abandonado. Algumas pessoas tentaram acionar os órgãos municipais, mas como sempre, não fizeram nada. Um veterinário foi ao local, medicou, mas sem muitos detalhes disse que se ela não levantasse seria melhor sacrificá-la. Mas acabou que no final ela morreu e esse foi mais um caso de maus-tratos onde o dono do animal nada sofre", conta.

Casos desse tipo já foram presenciados em Macaé. Um deles aconteceu no início do ano passado, quando uma outra égua foi abandonada agonizando durante uma semana na comunidade Águas Maravilhosas.

Quando o assunto é denúncia de maus-tratos ou crueldade contra animais, o Brasil possui legislação pertinente e autoridades competentes que são responsáveis pela manutenção da lei e punição de crimes.

Em caso de maus-tratos com qualquer tipo de animal, seja doméstico ou silvestre, a população deve denunciar.
É considerado maus-tratos o abandono, envenenamento, presos constantemente em correntes ou cordas muito curtas, manutenção em lugar anti-higiênico, mutilação, presos em espaço incompatível ao porte do animal ou em local sem iluminação e ventilação, utilização em shows que possam lhes causar lesão, pânico ou estresse, agressão física, exposição a esforço excessivo e animais debilitados (tração), rinhas, entre outros.

Ao presenciar qualquer situação dessa, vá até a delegacia de polícia mais próxima e faça um boletim de ocorrência ou compareça a Promotoria de Justiça do Meio Ambiente. A denúncia de maus-tratos é legitimada pelo Art. 32, da Lei Federal nº 9.605, de 12.02.1998 (Lei de Crimes Ambientais) e pela Constituição Federal Brasileira, de 05 de outubro de 1988.


Fonte: O Debate ON

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…