Pular para o conteúdo principal

Prefeito de Porto Alegre protocola projeto de hospital veterinário

Maquete eletrônica apresenta projeto em área de 1.650 metros
quadrados (Foto: Divulgação/PMPA)
O prefeito José Fortunati entregou, na tarde dessa terça-feira, 19, à presidente em exercício da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), Maria Dolores Pineda, o projeto do hospital veterinário de Porto Alegre, para o atendimento de animais de estimação. “Diante do grande número de atendimentos que realizamos por meio de parcerias com clinicas veterinárias, percebemos a importância deste projeto que é inédito, pois será o primeiro hospital público do Brasil nesta área”, assegurou Fortunati.

O projeto, assinado pelo arquiteto Rodrigo Souza, foi definido após pesquisa em unidades de atendimento veterinário localizadas no país e exterior. Após essa etapa, foram adaptadas as necessidades do espaço, já ocupado pela Secretaria Especial dos Direitos dos Animais (Seda), na Lomba do Pinheiro, no município de Viamão, mas que pertence à Prefeitura de Porto Alegre.

“É neste espaço que atualmente são realizados os procedimentos de baixa e média complexidade e, a partir desta obra, serão realizados procedimentos de alta complexidade, para animais vítimas de maus tratos e atropelamentos”, explicou o prefeito, ao lembrar os serviços a serem oferecidos pela Unidade de Saúde Animal nos setores de quimioterapia, fisioterapia, banco de sangue, farmácia e ambulatório.

A presidente em exercício da Fepam elogiou a iniciativa e garantiu apoio na liberação das licenças prévia e de instalação, que permitirão o início da obra. A expectativa inicial é de que a obra seja iniciada no segundo semestre de 2015. Os custos, em torno de R$, 3,5 milhões, serão bancados por um doador privado.

No terreno de 1.650 metros quadrados estarão concentrados cinco blocos cirúrgicos, quatro consultórios, sala de recuperação para 150 animais e espaço de triagem para 120 animais. A prioridade do atendimento gratuito será para animais de famílias de baixa renda.

Unidade irá priorizar atendimento à animais de famílias de baixa renda
(Foto: Ivo Gonçalves/PMPA)



















Fonte: SEDA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…