Pular para o conteúdo principal

Prefeitura de Franca cria ‘disk’ denúncias de agressão a animais, SP

Cavalos apreendidos no Canil Municipal de Franca, alguns deles foram
vítimas de maus tratos
Passados os primeiros 30 dias de funcionamento, a Sala de Proteção Animal já começa a traçar uma imagem mais detalhada sobre o cenário dos maus tratos a animais em Franca. O novo serviço da Prefeitura de Franca, sob a supervisão da Vigilância em Saúde, funciona como uma espécie de triagem no atendimento a denúncias sobre maus tratos, ajudando a Polícia Ambiental a agilizar o atendimento.

Segundo José Conrado Netto, chefe da Vigilância em Saúde, os dados registrados pelo novo serviço contabilizam 22 denúncias de maus tratos feitas pela população. Desse total, 16 envolvem cachorros e o restante, cavalos. Porém, apenas cinco das denúncias acabaram confirmadas. “Existem muitas pessoas extremamente preocupadas com animais e isso é uma coisa muito boa. Mas, na maioria dos casos, foi constatado que as denúncias foram feitas com base em pequenas características, como a aparente falta de ração e espaço”, disse Netto. “Mas, quando nossa equipe chegou ao local, na maioria desses casos, foi constatado que o animal estava bem cuidado, tinha um bom espaço a disposição e a ração era dada em determinados momentos ao longo do dia, o que não é errado. Não havia mesmo problemas.”

Orientação
Se a maioria das denúncias se mostrou infundada durante a vistoria, quatro das cinco foram resolvidas com orientações simples. “Nos outros casos, por falta de conhecimento dos próprios proprietários, os cães ficavam em locais impróprios e sem higienização adequada”, afirmou o chefe da Vigilância. Como os casos não constituem maus tratos, eles são resolvidos com conversa e orientações feitas por um veterinário que sempre vai verificar a real condição dos bichos.

A denúncia mais séria foi de um cavalo que foi abandonado e amarrado a um poste no Jardim Aeroporto IV. “Esse caso foi grave, pois o animal estava desnutrido e desidratado depois de ficar alguns dias largado. Aí nós resgatamos o animal e levamos até o Canil Municipal, onde ele está sendo devidamente alimentado e cuidado”, disse Netto.

No caso desse equino, ele só deixará o Canil após a realização de um leilão. Já os cães recolhidos em casos envolvendo maus tratos poderão deixar o local se forem adotados. Segundo Netto, caso sejam constatados maus tratos, a Prefeitura, juntamente com a Polícia Ambiental, recolhe o animal e, dependendo do caso, abre inquérito contra o responsável.

A Sala de Proteção Animal funciona para receber e apurar denúncias e, além disso, orientar pessoas com qualquer tipo de dúvida sobre o tema pelo telefone 3711-9448. Denúncias também podem ser feitas através do 190.

Fonte: GNC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…