Pular para o conteúdo principal

Decisão Histórica: União Européia vota contra incentivo à criação de touros para touradas

Basta de fundos da União Européia para a criação de touros para as touradas. A um passo desta realidade segue o Parlamento Europeu, cujos membros da Comissão do Ambiente votaram para acabar com este tipo de incentivo. Trata-se da Emenda número 6334, aprovada após os deputados votarem 29 a favor e 11 contra.

Na decisão histórica lê-se:

"As dotações não podem ser utilizadas para apoiar criadores de animais ou criadores de touros para a atividade letal das touradas."

O motivo da decisão? A convenção européia para a proteção dos animais (Diretiva 98/58 / CE), que afirma que os animais não devem sofrer qualquer tipo de dor, mágoa, medo ou estresse. É claro que essas condições são ignoradas no que diz respeito aos touros destinados às touradas. Portanto, a criação de touros não pode ser incluída entre os beneficiários da Política Agrícola Comum da União Européia.

A Humane Society International saudou a votação, e insta todos os membros a se alinharem contra esta prática sangrenta. Joanna Swabe, diretora do HSI UE disse:

"A tourada é cruel, é um esporte sangrento e obsoleto, que causa grande sofrimento aos animais. Estamos satisfeitos que os membros da Comissão ENVI tenham tomado esta decisão compassiva de votar contra a possibilidade de que o dinheiro dos contribuintes europeus possam ser canalizados para o campo da tourada, que tira benefício da crueldade. Agora apelamos a todos os membros para que tomem uma posição contra o abuso que os touros sofrem em nome da diversão, e pedir-lhes para apoiar esta alteração quando ela será votada na próxima sessão plenária."

Vai ficando cada vez mais difícil engolir as touradas apesar, ainda, de tanta resistência em acabar com esta prática atrasada, em nome da cultura.

Um ótimo exemplo a ser seguido no Brasil, com medidas similares voltadas aos rodeios e às vaquejadas. Estes eventos, que exploram e causam danos aos animais, devem não só não receber qualquer tipo de incentivo, como o uso de dinheiro público para estas atividades deve ser proibido no país.

Fonte: GreenMe
           Olhar Animal

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…