Pular para o conteúdo principal

Detido, acusado de torturar cachorro confessa o crime e diz que não gostava de cuidar de animais

Ele se apresentou à polícia nesta terça-feira após passar quatro dias foragido

José Geraldo Balbino foi flagrado torturando cadela no Núcleo
Bandeirante (Reprodução)
Após ter sido preso, o homem que foi flagrado torturando uma cadela no Núcleo Bandeirante (DF) confessou o crime em depoimento à polícia. Ele é funcionário do depósito de material de construção onde agrediu o cachorro e declarou que não gostava da tarefa de dar banho nos animais do local.

De acordo com a delegada da 29ª DP, Alessandra Lacerda Figueiredo, o suspeito afirmou que estava embriagado no dia em que foi flagrado em vídeo espancando o animal.

— Todas as vezes que ele ia dar banho, ele batia nos cachorros com a mão ou com a mangueira. Fazia esse tipo de serviço de forma rude, agressiva e disse que não tinha paciência. Ou seja, os maus tratos vinham acontecendo de forma constante, essa foi a conclusão a que nós chegamos e que ele realmente confessou.

José Geraldo Balbino, de 58 anos, é acusado de espancar um filhote de cachorro usando uma mangueira de borracha. O vídeo gravado por um morador do prédio ao lado mostra a agressão. Ele bate, dá socos e ainda mira a água dentro da boca do cãozinho. O animal se sente acuado, não morde o agressor, tenta fugir.

Depois que as imagens foram divulgadas com exclusividade pelo R7 DF, José Balbino não foi mais encontrado. Ele ficou sumido por quatro dias até se apresentar à polícia, acompanhado do patrão.

O dono do depósito de material de construção não teve o nome divulgado, mas também prestou depoimento na delegacia. Ele disse que sabia das agressões, mas não tinha noção da violência. Ele afirmou ainda que soube dos vídeos que denunciavam a violência, mas não deu muita importância pois iria se desfazer dos bichos por causa de uma obra no local.

De acordo com a delegada, no terreno eram criados quatro cachorros. Depois da repercussão do caso, um foi adotado, dois foram levados para uma ONG que cuida de animais e o último está internado em uma clínica veterinária.

Veja as nossas postagens sobre o caso:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…