Pular para o conteúdo principal

Mulher com deficiência auditiva adota pit bull surdo; animal respeita sinais

Auxiliar geral de Presidente Prudente ensinou linguagem ao cão.

Cão obedece sinais para passar e fazer xixi no local adequado
(Foto: Luiz Henrique Ribeiro/Arquivo pessoal)
A auxiliar geral Silvia Rodrigues Coelho, de 23 anos, é deficiente auditiva, mas isso não a impediu de trabalhar em Presidente Prudente, sair com os amigos e curtir os dias de folga ao lado do marido Luiz Henrique Ribeiro, de 25 anos. Porém, o destino a surpreendeu com um novo integrante em sua família: um cachorro da raça pit bull que também não ouve. Eles representam as superações buscadas pela Comunidade Surda Brasileira durante o Dia Nacional do Surdo, celebrado nesta sexta-feira (26).

O companheiro de Silvia conta que a relação da esposa com o cão teve início em uma página de adoção de animais abandonados em uma rede social, há cerca de um ano e meio. Silvia viu a pit bull de cor branca à espera de uma família, mas ao ser informada de que o animal tinha problemas auditivos, despertou a vontade de adotá-lo.


Silvia está com pit bull há um ano e meio (Foto:
Luiz Henrique Ribeiro/Arquivo pessoal)
“Foi tudo muito inesperado e surpreendente encontrar um cão surdo. Mas a Silvia não descansou até conseguir a adoção. Eu acho que foi uma das melhores decisões que tomamos”, comenta.

Ao trazê-la para casa, Luiz conta que o animal estava um pouco assustado, mas Silvia se prontificou a ensinar a linguagem de sinais para o pit bull, que aprendeu comandos básicos, como sentar, sair da sala, não morder, não fazer xixi em determinados locais, entre outros, contribuindo com a convivência entre a família e a cadela.

“Aos poucos, os dois foram se conhecendo e se entendendo. Hoje em dia, o pit bull obedece só aos comandos da Silvia com o uso de sinais. É uma relação única, composta de muito carinho e paciência. É como se ele entendesse que a Silvia possui a mesma deficiência”, relata o marido.

Para Luiz, a relação da esposa com o cão é considerada a prova de que nada é impossível para os seres humanos e para os animais. “Foi um presente surpreendente que construiu na base da paciência e isento de qualquer preconceito”, afirma.


"É como se a cadela entendesse que a Silvia possui a mesma deficiência
que ela", explica marido (Foto: Luiz Henrique Ribeiro/Arquivo pessoal)





















Fonte: G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…