Pular para o conteúdo principal

Seda leva atendimento veterinário a bairros da Capital Gaúcha

Atendimentos são feitos diariamente, de segunda a
sexta-feira (Foto: Roberta Amaral/Divulgação PMPA)
Nesta semana, 210 animais receberam atendimento veterinário da Secretaria Especial dos Direitos Animais, por meio da Unidade Móvel I do Bicho Amigo. Os atendimentos da Unidade Móvel são feitos diariamente, de segunda a sexta-feira, no turno da tarde. O ônibus desloca-se até as comunidades em situação de vulnerabilidade social, previamente agendadas pelos Postos de Saúde da Família (PSFs).

“Essa medida, de levar o atendimento aos animais, em sua própria comunidade, visa facilitar o acesso da população de baixa renda aos serviços disponibilizados pela Seda. O que podemos perceber é que os tutores acompanham atentamente o nosso trabalho e sentem-se felizes por seus cães e gatos receberem atenção clínica veterinária, que por seus próprios recursos não teriam como proporcionar”, diz Marcelo Páscoa Pinto, coordenador da Unidade de Medicina Veterinária da Seda.

As ações diárias do programa iniciaram-se em 2013 e, somente neste ano, mais de 8 mil e duzentos cães e gatos de diversos bairros da Capital foram desverminados, vacinados e clinicamente tratados diretamente na sua comunidade.

“A maioria dos animais que são atendidos nunca tiveram acesso a um médico-veterinário. Muitas pessoas ainda pensam que basta dar comida e água a seu cão ou a seu gato e isso é suficiente. Mas quando o animal é tratado, recebe vermífugo e vacinação das mãos de um profissional, seu tutor percebe que ele precisa de cuidados especiais para que sua saúde seja preservada. Os tutores passam a enxergar seu animal de estimação com outros olhos, olhos de respeito” destaca a veterinária Rosane Pacheco, da Unidade Móvel I.

Veja os bairros que já receberam o ônibus Bicho Amigo: Agronomia, Alto Teresópolis, Beco dos Coqueiros , Belém Velho, Bom Jesus, Camaquã, Campo Novo, Cascata, Chapéu do Sol, Cristal, Farrapos, Glória, Ilha dos Marinheiros, Jardim Carvalho, Lomba do Pinheiro, Mário Quintana, Morro Santana, Passo das Pedras, Protásio Alves, Restinga, Rubem Berta, Santa Teresa, Sarandi, Teresópolis e Vila Nova.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…