Pular para o conteúdo principal

Denúncias em redes sociais ajudam a coibir maus tratos a animais, diz delegado

Casos de maus tratos diminuíram a partir de 2012, aponta
levantamento da Decat (Foto: Maria Lucia Metello)
A comoção nas redes sociais e a participação de internautas em denúncias de maus tratos a animais tem ajudado a diminuir as estatísticas de crimes deste tipo em Mato Grosso do Sul nos últimos anos. É o que afirma o delegado Silvano Mota, titular da Decat (Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Ambientais e de Atendimento ao Turista). Segundo ele, a população tem se tornado mais intolerante e repercutido amplamente casos de maus tratos.

“O clamor das redes sociais tem ajudado a coibir os crimes. As pessoas estão denunciando, compartilhando em seus perfis, então os possíveis agressores já estão percebendo que as atitudes não serão toleradas”, explica Mota.

Os números de boletins de ocorrência registrados na Decat ilustram a diminuição no número de casos. Em 2012, foram registradas 62 ocorrências de maus tratos em Campo Grande, e 183 no Estado. No ano seguinte, o número caiu para 39 na Capital e 144 no interior. Já este ano, até o mês de setembro a delegacia contabilizou 37 boletins de ocorrência em Campo Grande e 132 em Mato Grosso do Sul.

Proteção

Para quem trabalha em defesa dos direitos dos animais, apesar da diminuição de registros de ocorrências, o cenário ainda não é positivo. A protetora Maria Lucia Metello, representante de Mato Grosso do Sul no Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal, explica que há diversos casos de maus tratos em que as denúncias não são formalizadas e acabam não entrando para as estatísticas.

“Muitas vezes nós defensores recebemos ligações de pessoas que denunciam mas não querem se identificar, não querem registrar boletim de ocorrência pra não se comprometerem”, explica Maria Lúcia. “Em alguns casos, quando vamos até o local averiguar, conseguimos conversar com os proprietários do animal e solucionar o problema sem levar a ocorrência à justiça. Temos que avaliar, tentar fazer conciliação. Mas quando necessário, acionamos a polícia”, completa.

Apesar disso, Maria Lúcia, que trabalha em defesa dos direitos dos animais há 13 anos, também avalia como importante a repercussão de denúncias nas redes sociais. “Ajuda muito. Antes a gente trabalhava sozinho, mas agora povo começou a ver e perceber a gravidade dessas situações”, finaliza.


Fonte: O Estado MS

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…