Pular para o conteúdo principal

Linha Verde recebe denúncias de crimes ambientais no sul do Rio

Moradores de todo estado podem usar o disque denúncia 0300 253 1177. Número funciona 24 horas; custo é de ligação local e anonimato é garantido.

Esquilo e pássaro foram encontrados mortos em blitz ambiental em
Angra (Foto: Divulgação/SEA-RJ)
Moradores do sul do Rio de Janeiro e de todo estado podem denunciar crimes ambientais através da Linha Verde, serviço criado em parceria entre o Disque-Denúncia e a Secretaria de Estado de Ambiente. Basta ligar para 0300 253 1177 — custo de uma ligação local — e passar as informações. As chamadas podem ser feitas 24 horas, todos os dias, têm anonimato garantido, não são gravadas ou rastreadas. As informações são da assessoria do Disque-Denúncia.
Através das ligações, a população pode denunciar crimes como caça e extração ilegal de vegetação — veja relação abaixo. Na terça-feira (30), uma operação foi realizada em Angra dos Reis para combater essas ações. Um homem foi preso no distrito de Cunhambebe com um esquilo e dez pássaros das espécies dorminhoco e araçari abatidos.

Na cidade da Costa Verde, o Linha Verde recebeu sete ligações neste ano de 2014. Segundo a assessoria, fora quatro de maus tratos contra animais, uma de lixo aculumado, uma de extração irregular de árvore e uma caça ilegal de animais silvestres. No estado, desde janeiro, foram aproximadamente 4.100 denúncias. Pelo levantamento do órgão, o crime ambiental mais cometido é o de maus tratos contra animais, com mais de 390 ocorrências.

O Linha Verde possui parceria com o Comando de Policiamento Ambiental (CPAm). As informações recebidas são encaminhadas ao CPAm, que faz a apuração e a verificação das denúncias através de Unidades de Policiamento Ambiental (UPAm).

Crimes que podem ser denunciados
- Maus tratos contra animais;
- Soltura, fabricação e comercialização de balões;
- Extrações de solo, árvores ou areia;
- Queimadas;
- Lixão clandestino;
- Poluição do ar, das águas ou do solo;
- Caça ilegal de animais silvestres;
- Guarda/comércio de animais silvestres sem autorização (arara, canários, aves, etc);
- Desmatamento florestal;
- Fabricação e comercialização de cerol e linha chilena.

Fonte: G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

'A FAZENDA' THIAGO GAGLIASSO VOLTA A BATER NAS CABRAS - OUTRA PUNIÇÃO

Abaixo trechos onde fica explícito o desprezo, o abuso e o desrespeito pelos animais. Olha uma de suas frases:
- não posso te agredir, mas, posso te agredir verbalmente....
No final da votação, debochando, ele se dirige "aos criadores de cabra" pedindo desculpas e avisa que amanhã teria uma reunião com todas elas.
O diretor do programa disse, em entrevista, que agressão aos animais daria expulsão. O que falta além da confissão do tal participante? Será que é porque o Thiago já veio marcado para ganhar por ser cunhado do auditor do referido programa? Quem falou foi ele mesmo, gente!

Fonte: O Grito do Bicho
Voltar ao Blog do Orion de Sá

ERGONOMIA - CADEIRA DE RODAS PARA CÃES AMIGO

Nir Shalom, um designer industrial israelense, criou esse cadeira de rodas que permite que o cão tenha mais liberdade em seus movimentos, além de mais conforto. Apresentada no mês passado em Milão. A cadeira se encaixa no quadril do cão e permite que ele consiga se deitar, correr e sentar.
Voltar ao Blog do Orion de Sá

DIGA NÃO A LEGALIZAÇÃO DA CAÇA! DIGA NÃO AO RETROCESSO!

Recentemente estamos vivendo no nosso país uma série de retrocessos, que vão contra toda a luta pelos direitos dos animais até hoje. Proibida desde 1967, a caça de animais silvestres na verdade, nunca deixou de existir no Brasil e esse é um dos principais fatores que levam à extinção de várias espécies ameaçadas. Mas um projeto tramita na Câmara dos Deputados prevê a regulamentação do exercício de caça no país. Trata-se do Projeto de Lei 6268/16 de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), membro da bancada ruralista. O projeto anula a Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), que proíbe o exercício da caça profissional. Defensores do projeto de lei justificam que é preciso conter algumas espécies, pois são consideradas invasoras e oferecem perigos ao ecossistema. O projeto de lei também retira da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98) o agravamento até o triplo da pena de detenção de seis meses a um ano, e multa, por matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar animais sem licenç…